Pentecostalism and the Urban Landless Movement

Political Struggle and Spiritual Battle in Uberlândia, Brazil

Authors

  • Claudia Wolff Swatowiski Federal University of Uberlândia
  • Luciano Senna Peres Barbosa Federal University of Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.1558/ptcs.34877

Keywords:

Brazilian Pentecostalism, politics, land occupation

Abstract

This article addresses the connection between Pentecostalism and a movement of people who had occupied urban land in an effort to gain legal residence. Based on an investigation of the “Ocupação Glória” land settlement in the city of Uberlândia, Brazil, we analyse the ways in which demands for the right to housing are associated with Pentecostal dynamics and cosmologies. We examine how Pentecostals contribute to a movement to legalize unauthorized settlements in urban space, and establish an overlapping of political struggle and spiritual battle. We also investigate how the practices of evangelical churches in the “Ocupação Glória” at times work in juxtaposition and at times in opposition to other modalities of the social movement that operate in the settlement.

Author Biographies

Claudia Wolff Swatowiski, Federal University of Uberlândia

Claudia Swatowiski is professor of anthropology at the Federal University at Uberlândia, Brazil. She received her PhD in social sciences from the State University of Rio de Janeiro in 2010. Between 2007 and 2008, she has been a visiting fellow at Institute of Social Sciences of the University of Lisbon. She has carried out fieldwork among Pentecostals in different urban contexts in Brazil, Portugal and Angola. Her publications include the book Novos cristãos em Lisboa: reconhecendo estigmas, negociando estereótipos (Garamond, 2013) and the chapter “Edir Macedo’s Pastoral Project: A Globally Integrated Pentecostal Network” with Clara Mafra and Camila Sampaio, published in The Diaspora of Brazilian Religions edited by Cristina Rocha and Manuel Vásquez (Brill, 2013).

Luciano Senna Peres Barbosa, Federal University of Uberlândia

Luciano Senna Peres Barbosa is an anthropology teacher in the Social Sciences Institute of the Federal University of Uberlândia, Brazil. He has published articles on anthropology of politics. He currently works on the analysis of homeless social movement organizations, and the school system in the urban poor areas of Uberlândia. He is a member of Travessias, a research group devoted to the study of urban peripheries.

References

Alem, J. M. 1991. “Representações coletivas e histórias em Uberlândia”. Revista História e Perspectiva 4(2): 79–102.

Almeida, R. 2017. “A onda quebrada – evangélicos e conservadorismo”. Cadernos Pagu 50: 5–30. https://doi.org/10.1590/18094449201700500001

Batista, I. T., and J. C. Ramires 2017. “Grandes Empreendimentos Habitacionais na Cidade de Uberlândia – MG”. InterEspaço 9(3): 195–214.

Burity, J. A. 2008. “Religião, política e cultura”. Tempo social 20(2): 83–113. https://doi.org/10.1590/S0103-20702008000200005

Burity, J. A. 2009. “Religião e lutas identitárias por cidadania e justiça: Brasil e Argentina”. Ciências Sociais Unisinos 45(3): 183–95. https://doi.org/10.4013/csu.2009.45.3.01

Burity, J. A. and M. D. Machado. 2005. Os votos de Deus: evangélicos, política e eleições no Brasil. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana.

Burity, J. A. and M. D. Machado. 2014. “A ascensão política dos pentecostais no Brasil na avaliação de líderes religiosos”. Dados-Revista de Ciências Sociais 57(3): 601–31.

Campos, R., B., E. H. Gusmão, and C. G. Mauricio Junior. 2015. “A disputa pela laicidade: uma análise das interações discursivas entre Jean Wyllys e Silas Malafaia”. Religião e Sociedade 35(2): 165–88. https://doi.org/10.1590/0100-85872015v35n2cap07

Cruz, A. C. 2016. “Cada pastor, uma igreja”. Master dissertation, Universidade Federal de Uberlândia.

Csordas, T. 1997. Language, Charisma, and Creativity: The Ritual Life of a Religious Movement. Berkeley, CA: University of California Press.

Csordas, T. 2002. Body, Meaning, Healing. New York: Springer. https://doi.org/10.1007/978-1-137-08286-2

Das, V., and S. Randeria. 2015. “Political Leadership and the Urban Poor: Local Histories”. Current Anthropology 56 (11):S44 –S54. https://doi.org/10.1086/682420

Deere, C. D. 2004. “Os direitos da mulher à terra e os movimentos sociais rurais na reforma agrária brasileira”. Revista de Estudos Feministas 12(1): 175–204. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2004000100010

Ferreira, F. 2008. “Religião e Movimento Social: as representações religiosas dos pentecostais do Assentamento Herbert de Souza, Moreno, Pernambuco”. Master dissertation, Universidade Metodista de São Paulo.

Ferreira, F. 2013. “Pentecostais e a luta pela terra no Brasil: deslocamentos e equivalências entre identidades religiosas e agentes sociais em assentamentos de reforma agrária”. PhD dissertation, Universidade Federal de Pernambuco.

Ferreira, F. and M. Almeida. 2016. “A mulher pentecostal na luta por terra: uma análise do assentamento Luiza Ferreira”. ACENO-Revista de Antropologia do Centro- Oeste 3(5): 125–40.

Freston, P. 1994. Evangélicos na política brasileira: história ambígua e desafio ético. Curitiba: Encontro Editora.

Freston, P. 2004. Evangelicals and Politics in Asia, Africa and Latin America. Cambridge: Cambridge University Press.

Freston, P. 2006. Religião e política, sim igreja e estado, não: os evangélicos e a participação política. Viçosa: Ultimato.

Giumbelli, E. 2002. O fim da religião: dilemas da liberdade religiosa no Brasil e na França. São Paulo: Attar Editorial.

Giumbelli, E. 2011. “O Acordo Brasil-Santa Sé e as relações entre Estado, sociedade e religião”. Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião 13(14): 119 43.

Goulart, D. C. 2011. “O anticapitalismo do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto – MTST”. PhD dissertation, Universidade Estadual Paulista.

Herzfeld, M. 2005. Cultural Intimacy: Social Poetics in the Nation-State. New York: Routledge.

Machado, M. D. 2005. “Representações e relações de gênero nos grupos pentecostais”. Revista de Estudos Feministas 13(2): 387–96. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2005000200012

Machado, M. D. 2006. Política e religião: a participação dos evangélicos nas eleições. Rio de Janeiro: FGV Editora.

Machado, W. D. L. 1995. “Entre o sonho e a fé: o pentecostal e os conflitos de sua prática religiosa, nos assentamentos Sumaré I e II, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra”. Master dissertation, Universidade Metodista de São Paulo.

Mafra, C. 2002. Na posse da palavra: religião, conversão e liberdade pessoal em dois contextos nacionais. Lisbon: Imprensa de Ciências Sociais.

Mafra, C. 2009. “Distância territorial, desgaste cultural e conversão pentecostal”. In C. Mafra and R. Almeida (eds), Religiões e cidades: Rio de Janeiro e São Paulo. São Paulo: Terceiro Nome: 51–68.

Mariano, R. 2011. “Laicidade à brasileira: Católicos, pentecostais e laicos em disputa na esfera pública”. Civitas-Revista de Ciências Sociais 11(2): 238–258. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2011.2.9647

Mariz, C., and P. Gracino Junior. 2013. “As igrejas pentecostais no Censo de 2010”. In F. Teixeira and R. Menezes (eds), Religiões no Censo de 2010. Petrópolis: Vozes: 161–75.

Miagusko, E. 2012. Movimentos de moradia e sem teto em São Paulo: experiências no contexto do desmanche. São Paulo: Alameda.

Montero, P. 2013. “Religião, Laicidade e Secularismo: Um debate contemporâneo à luz do caso brasileiro”. Revista Cultura y Religión 7(2): 132–150.

Moura, G. G., and B. R. Soares. 2009. “A Periferia de Uberlândia: da sua origem até sua expansão nos anos 1990”. Caminhos de Geografia 32(10): 22–40.

Natividade, M. 2008. “Deus me aceita como eu sou? A disputa sobre o significado da homossexualidade entre evangélicos no Brasil”. PhD dissertation, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Natividade, M. 2010. “Uma homossexualidade santificada? Etnografia de uma comunidadeinclusiva pentecostal”. Religião & Sociedade 30(2): 90–121. https://doi.org/10.1590/S0100-85872010000200006

Novaes, R. 1985. Os escolhidos de Deus: pentecostais, trabalhadores e cidadania. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero.

Oro, A. P. 2003. “A política da Igreja Universal e seus reflexos nos campos religioso e político brasileiros”. Revista brasileira de ciências sociais 53(18): 53–69. https://doi.org/10.1590/S0102-69092003000300004

Oro, A. P. 2011. “A laicidade no Brasil e no Ocidente: Algumas considerações”. Civitas-Revista de Ciências Sociais 11(2): 221–37. https://doi.org/10.15448/19847289.2011.2.9646

Prefeitura Municipal de Uberlândia. 2009. “Plano Local de Habitação de Interesse Social de Uberlândia”. Diagnóstico Estratégico de Habitação de Interesse Social. Retrieved from www.uberlandia.mg.gov.br/uploads/cms_b_arquivos/6342.pdf (accessed 3 January 2018).

Rios, H. S. 2002. “A reelaboração da fé para ocupar, resistir e produzir: o papel da religião no cotidiano do acampamento e do assentamento do MST em Iaras-SP”. Master dissertation, Universidade Metodista de São Paulo.

Sigaud, L. 2000. “A forma acampamento: notas a partir da versão pernambucana”. Novos Estudos CEBRAP 58: 73–92.

Sigaud, L. 2005. “As condições de possibilidade das ocupações de terra”. Tempo Social 17(1): 255–80. https://doi.org/10.1590/S0103-20702005000100011

Vital, C., and P. V. L. Lopes. 2013. Religião e política: uma análise da atuação de parlamentares evangélicos sobre direitos das mulheres e de LGBTs no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll.

Vital, C., P. V. Lopes and J. Lui. 2017. Religião e Política: medos sociais, extremism religioso e as eleições 2014. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll/Instituto de Estudos das Religiões.

Published

2018-05-11

How to Cite

Swatowiski, C., & Barbosa, L. (2018). Pentecostalism and the Urban Landless Movement: Political Struggle and Spiritual Battle in Uberlândia, Brazil. PentecoStudies, 17(1), 77-94. https://doi.org/10.1558/ptcs.34877